quinta-feira, outubro 16, 2008

Palhaçada em Santo André


Abro os jornais que costumo ler na internet  e está lá o seqüestro do rapaz de 22 anos em Santo André. Ligo a TV, ele está ao vivo falando com uma apresentadora da Rede TV. Depois, com alguém da Record, depois da Globo. Uma das seqüestradas saiu e depois...voltou para o tal apartamento. Nunca vi isso. Daí o rapaz estendeu uma camisa do São Paulo na janela (agora li no G1 que “advogados do clube vão ajudar”). O que virá? Pedirá ele os pertences para fazer uma feijoada? Pedirá ele para que umas das reféns saia e volte fantasiada de melindrosa?

A mídia se aproveita do caso, o rapaz se aproveita da mídia. Deve acabar tudo bem. Depois a menina,a amiga e o rapaz (coitaaaaaaado dele, não soube lidar com o ciúmes...) irão a programas de entrevistas e logo após o Bruno Barreto fará um filme analisando a situação por ângulos sociológicos, a crítica não entenderá e chamará o filme de “CDHU movie”.

Enquanto isso um monte de gente do tal condomínio não pode entrar ou sair de casa e um monte de policiais que deveriam estar policiando (não é isso que fazem?) outros lugares estão lá, vendo o sobe e desce de mochilas , sacolas e reféns.

2 comentários:

Codinome Beija-Flor disse...

Tá achando muito???
Olha o que tá acontecendo agora (em plena 18h49) bem pertinho de onde trabalho.
" 16/10/2008
Tropa de choque da PM entra em confronto com policiais civis em greve em SP
Do UOL Notícias
Em São Paulo
Atualizado às 18h30

Policiais civis entraram em confronto com policiais militares na região da rua Padre Lebret, no bairro do Morumbi, zona oeste de São Paulo, no final da tarde desta quinta-feira. A Polícia Civil, em greve há um mês, realizava passeata de protesto no local para pressionar o governo do Estado a retomar as negociações pelo fim do movimento.
Veja imagens do confronto
Os manifestantes tentaram chegar ao Palácio dos Bandeirantes -sede do governo paulista-, mas foram impedidos pelo cordão de isolamento da Tropa de Choque da PM.
Ao menos 17 pessoas ficaram feridas. O hospital Albert Einstein, que fica na região, informou, por meio de sua assessoria, que 12 feridos deram entrada no pronto atendimento, mas que o quadro de saúde deles é "estável". Uma das vítimas já foi liberada. No hospital Itacolomy, outras cinco pessoas foram atendidas: quatro já foram liberadas e uma está sob observação, mas passa bem.
Segundo informações preliminares da Associação dos Delegados de Polícia Civil do Estado de São Paulo, havia cerca de 5.000 policiais na manifestação.
Segundo nota do Palácio dos Bandeirantes, o confronto começou no momento em que o comando grevista aceitou proposta do governo estadual de enviar um representante ao local onde estava concentrada a manifestação para receber um documento com a posição dos manifestantes.
No local, há vários carros e alguns caminhões da Polícia Militar. Soldados da PM portando escudos reprimiram a passeata dos policiais civis com o uso de bombas de gás lacrimogêneo e tiros com balas de borracha.
Tropa de Choque da PM e policiais civis entraram em confronto na região do Morumbi, na zona oeste
Carros da PM e a cavalaria foram acionados; houve confronto entre policiais e manifestantes.
Policiais civis tentaram passar pelo cordão de isolamento da PM para chegar ao Palácio dos Bandeirantes.
Confira informações do trânsito
Cinegrafista da Record fica ferido
Ouça relato de repórter no local
O trânsito está complicado na região do Morumbi e a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) pede que os motoristas evitem circular pelo local.
Área de segurança
O governo do Estado divulgou uma nota dizendo que a ação da PM se deve ao fato de a área que circunda o Palácio dos Bandeirantes ser considerada de segurança.
As vias públicas situadas ao redor do Palácio dos Bandeirantes, sede do Poder Executivo Estadual, são consideradas pela Resolução SSP (Secretaria de Segurança Pública) 141, de 20/10/1987, Área de Segurança. Por esse motivo, todas as manifestações populares programadas para esses locais são obrigatoriamente desviadas para áreas próximas, que não se encontram na zona delimitada pela resolução, que abrange as avenidas Morumbi e Giovanni Gronchi e as ruas Combatentes do Gueto, Rugero Fazzano e Padre Lebret, diz a nota.

Cordão de isolamento
Por volta de 15h15, as lideranças do movimento grevista anunciaram aos manifestantes que o governo havia concordado em receber uma comissão dos grevistas. Os policiais, entretanto, seguiram em passeata. Os militares fizeram um cordão de isolamento tentando impedir o avanço.

Com greve "não há acordo"
Em evento no início da tarde no Memorial da América Latina, o governador José Serra (PSDB) reafirmou que a posição do governo em relação ao movimento é de que não há acordo com greve, segundo a Folha Online.

"Gostaríamos de um acordo, mas com greve o acordo não é viável. Negociações em greve não são viáveis. O governo fez sua proposta clara, está disposta a mandar para a Assembléia Legislativa dentro das possibilidades existentes", afirmou Serra."
Só penso no transito que vou aguentar hoje, raramente consigo ir embora cedo (hoje é um dos raros dias).
Pior que me pergunto : E, da nossa segurança quem cuida?

BOTA PALHAÇADA NISSO.
Abraços

Sandra Aparecida disse...

concordo em gênero número e gau.